Conheça-nos.

Minha foto
Brasília, DF, Brazil
Cláudia Falluh Balduino Ferreira é doutora em teoria literária e professora de literatura francesa e magrebina de expressão francesa na Universidade de Brasília. Sua pesquisa sobre a literatura árabe comunga com as fontes do sagrado, da arte, da história e da fenomenologia em busca do sentido e do conhecimento do humano.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

"Mundos árabes: poéticas, estética e testemunho dos desertos."


"Mundos árabes: poéticas, estética e testemunhos dos desertos."

Chamada para publicação da Revista Cerrados, número 42, Volume I/2017

Imagem de Diaa Azaoui, artista iraquiano.

Do Golfo ao Mediterrâneo, do Iraque à Palestina, da Síria ao Marrocos, de Andaluzia à Africa, os entrecruzamentos do mundo árabe querem trazer à luz seus mais íntimos Diwans e sua poética.
É tempo de deixar que os ventos de verdade e de pureza soprem sobre os conteúdos literários destes mundos árabes e tragam à superfície a beleza do conhecimento do homem através do texto que passa por todas as fronteiras desta multiculturalização essencial, saindo assim das tendências gregárias obliterantes e marginalizadoras que confinam este mesmo mundo árabe ao desconhecimento pelo outro e do outro.


No âmbito da plural literatura árabe, a questão identitária, as sucessivas e dramáticas diásporas, o dano integrista,  as migrações e êxodos, os colonialismos e os pós-colonialismos, as tradições e prelúdios que permeiam a narrativa e a poesia árabe, a gênese poética, a crítica e os diálogos entre esta mesma literatura e as artes – assim como as expressões iconoclastas, são temas visados neste número.  Eles vão pari passu com a geração da narrativa, as estratégias do sentido, as metamorfoses do imaginário que quer conhecer a psicologia do romance árabe, sem esquecer desejo e memória inalienáveis, sagrado e profano inconsúteis, masculino e feminino em suas (quase) inconciliáveis vivências.  
Qual a contribuição da crítica intelectual ocidental e oriental – não contradizendo Goethe, antes relembrando-o   _  a estes acontecimentos que levaram à uma metamorfose da literatura? Quais cânones e sistemas de valores são montados e desmontados, quais reações de aceite ou de pura recusa são erigidos quando o texto é um texto árabe?

Estas referências literárias que ultrapassam as fronteiras rumo a formação de um sentido literário expandido de Mundos Árabes diversos é que são os objetivos do número 43, volume I do ano de 2017 da revista Cerrados. Prazo de entrega 30 de abril de 2017.

Cláudia Falluh Balduino Ferreira
Editora-Chefe

A editoria da revista Cerrados aceita artigos em  inglês, francês e espanhol e para este volume, em árabe.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Erotismo, liberdade do amor e misticismo em "Un thé au harem de la princesse Lumière"


"Un thé au harem de la princesse Lumière" (Paris: L'Harmattan) é a revelação perfeita da alegria dos sentidos sem remorso. Viver só vale se for por um corpo a corpo frenético, e belos versos, imagens gourmandes ilustram um hedonismo risonho ou exasperado: "Maintenant que la nuit et jeune/ et que nos corps on bu l'explosion". Ao mesmo tempo amante exigente e maternalmente enternecida, a amante está consciente desses "rythmes inégaux et désespérés".
Oriente e ocidente unem-se em uma dupla convocação-evocação ao amor carnal "Je crie ma joie/ dans le sucre délicat de ta langue", ou do amor místico "Oh, nuit généreuse/ laisse-moi être la servante/ De celui qui sert le Donateur".

Para ler só ou... muito bem acompanhado!